Seguidores

27.7.10

Por que, por quem escrevo... (reload)

Hoje, ao completar 43 anos de idade, senti a necessidade de me reler, de me buscar em tempos passados. Algo assim como para avaliar o processo evolutivo de minhas ideias, meus atos, meus sentimentos... Se processo evolutivo realmente houve, enfim...

Mas acabei por me dar conta que isso me seria uma tarefa ingrata: a mim, como narrador autodiegético desse meu folhetim piegas, falta o distanciamento crítico necessário para tal.

Mas enfim, me relendo redescobri textos pelos quais guardo profundo carinho. São textos que falam muito de mim. Textos que denotam uma certa quietude de espírito, uma ternura, uma paciência... enfim, uma disposição mental e emocional que, não sei por que cargas d'água (sim, eu sei... só não ouso admitir), há muito venho perdendo, se já não perdi totalmente.

Dentre esses textos, permito-me fazer aqui o reload de dois deles que, na data de hoje, apresentam-se como perfeitos e adequados... No meu aniversário, algo de bom ressurge em mim... Parabéns para mim!



------------------------------------------



Noite de hotel
Estou a zero, sempre o grande otário
E nunca o ato mero de compor uma canção
Pra mim foi tão desesperadamente necessário

(Caetano Veloso)


E nunca o ato mero de escrever um blog pra mim foi tão desesperadamente necessário!!!!! É catártico. Reinvento-me nas palavras. Refaço-me, descubro-me nelas. E delas me alimento. E, de certa forma, dou de comer também aos outros. É um lindo repasto.

Um antigo copidesque do jornal "O Estado de São Paulo" costumava dizer que uma "lauda em branco aceita tudo". Dizia isso para criticar a quantidade de sandices que se escreveu e que certamente se escreve até hoje, seja lá qual for a intenção. Talvez o meu blog seja mesmo um amontoado de sandices, talvez não... Mas isso a mim pouco importa. A lauda em branco é minha, nela eu escrevo o que eu quiser. E lê quem quiser também. De qualquer maneira, é minha terapia há alguns meses, é o meu tarja preta sem efeitos colaterais.

E aí, vieram me dizer certa vez que pouco visitavam meu blog por eu ser demasiadamente prolixo. Por serem minhas postagens muito longas. Lembrei-me de imediato de uma frase atribuída a Voltaire: "Perdoe-me, senhora, se escrevi carta tão comprida. Não tive tempo de fazê-la curta."

E por que haveriam de ser curtas e concisas minhas postagens? Como exigir concisão de um cara que é um emaranhado louco de ideias? Escrever, pra mim, sempre foi muito fácil. O fluxo vem e deixo a coisa rolar. E quando me dou conta, saiu aquela verborragia toda de sempre. Eu simplesmente não entendo por que me condenam. Sou assim e pronto. Gostem ou não. Que não me leiam então, caramba!

Eu preciso escrever. É vital para mim. Aliás, acho que é a única coisa que sei fazer bem nessa minha vidinha de bosta. É como disse o Neruda: "Escrever é fácil: você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca idéias." E eu tenho tantas ideias... Às vezes nem sei o que fazer delas. Elas me fustigam às vezes, me mordem, me esbofeteiam. E quando finjo que não lhes dou atenção, só consigo piorar as coisas. Uma vez uma ideia me cuspiu na cara; d'outra feita, uma quase me furou os olhos. Elas exigem muita atenção as ideias. Aí a gente tem que parar o que estiver fazendo no momento para lhes ouvir. Na verdade, o ato de escrever é isso: conversar com nossas ideias. Foi Sofocleto, acho, que disse que escrever é simplesmente "uma maneira de falarmos sem que nos interrompam".

Pois é, nunca o ato mero de escrever (um blog, um diário, um poema, um recado) pra mim foi tão desesperadamente necessário. Aliás, acho que para quase todo mundo. Só que poucos se dão conta disso. Para fazer mais uma citação (como as fiz nessa postagem, não???!!!), lembrei-me agora de Saramago: "Somos todos escritores. Só que uns escrevem, outros não." E por que escrevo então? Bom, além dessa minha necessidade quase vital, escrevo porque quero ser lido. E como de muitas citações se compôs este texto...

"Escrevo para que meus amigos me amem ainda mais."
(Gabriel García Márquez)

"Eu escrevo como se fosse salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida."
(Clarice Lispector)



Evohé, amigos!


-----------------------------------------------------------------


Adoro nomes

Nomes em ã
De coisa como rã e ímã...

(Caetano Veloso)



De novo o Caetano. Ele diz gostar dos nomes em ã... Eu já gosto dos nomes em ente... Não sei por que, essa terminação me fascina. Uma palavra que adoro é premente: o que não permite demora, o que é urgente. Premente rima com gente. Gente pra mim é premente... Adoro gente. Amizade pra mim é premente. Consideração pra mim é premente. Premente é o afeto, o companheirismo, a dedicação ao outro. Disse em outra postagem que escrevo para ser lido e para que meus amigos me amem ainda mais, citando García Marques. Quem escreve descreve-se, é bem verdade. Mas também descreve outros. Descreve os seus pares. Esse retorno ao mesmo tema é para dizer que os entes que fazem a minha escritura é que me dão a minha verdadeira dimensão. Aproveito para pedir desculpa por não estar escrevendo nada tão premente assim nessa postagem. Não que o tivesse feito antes. Mas neste momento menos ainda. Vim aqui hoje mesmo só para comentar sobre os entes queridos. E isso pra mim já é muito...
Nas últimas 48 horas, cedi ao premente de rimar gentes. Já fazia algum tempo que tava querendo escrever esses entes, mas não sabia por onde começar. Havia o desejo, mas faltava a iniciativa, a motivação, o conteúdo… E sobejava a preguiça. No entanto o premente se impunha. Era preciso me dividir. Isso! Escrevo para me dividir... e para me multiplicar. Dividir para multiplicar. Escrevo para dividir com os entes coisas nem sempre tão prementes que vivencio, sentimentos, fatos marcantes, e muitas outras coisas… Enfim, para dividir com e nos entes algo do que eu sou… Nesse dividir-me, nesse partilhar de mim mesmo, espero que esses entes também se sintam motivados a dividir algo de si mesmos, efetuando-se assim a multiplicação da divisão… Sinto que uma onda de gozo me preenche quando me divido em entes… Me preenche tanto, que simplesmente não cabe só em mim… Também quero que o máximo possível de entes possam ter esse gozo premente de serem preenchidos desse jeito, ou de algum outro jeito parecido… Vamos aos entes!!!! Presentes... sempre...

7 comentários:

Katia Cristina disse...

Quando falou que alguns não liam seu blog pq as postagens eram longas, lembrei de uma amiga de infância que falou que começava a ler, mas ficava com preguiça. Gosto de seu blog, apesar de preferir ler a comentar.
Vá comemorar, amigo!
Feliz Aniversário!
bjs!

Anônimo disse...

posso dizer que esse foi um dos textos mais melodrámaticos que ja li aki no seu blog!! ...bjoooo na bunda, preto safado!!!

abraço!!

Mr. Crosz

Kattia Martins disse...

Você ainda pode se reler, eu já nem posso mais.

jwcl disse...

Creio que vc na verdade escreve para respirar, para estar vivo, para estar no mundo. Creio que vc escreve porque esta é uma das formas mais intensa de ser vc mesmo. Um abração, amigo.

Leila disse...

Gostei muito de ler você.

Curiosa disse...

escrever é exorcizar a alma de si mesmo ... e precisamos disso para continuar conosco ...
boa sua reflexão ...
bj

Jorge Willian disse...

caro amigo, lendo/relendo agora este texto o achei ainda mais bonito, principalmente a parte do premente/ente/gente que você publicou no outro blog (o de heráclito). Ao reler pude prestar mais atenção. Continuo achando que tu escreves para respirar, mas agora sei também que é para nos cativar ainda mais- e o fazes bem. Principalmente quando a veia poética é mais forte do que polêmica. Acho que você se solta mais, brinca mais com as palavras, coisa que um texto dissertativo e polêmico não te permite muito. Goste de ambos os tipos de texto que você escreve, mas gosto mais do poéticos, embora ache que os outros são também prementes. Um abração.

Related Posts with Thumbnails