Seguidores

4.12.06

Sobre Chico, sobre Inteligência e sobre cabeças cortadas




A propósito de Holofernes e cabeças cortadas (eita que esse temazinho está recorrente aqui, hein!), acordei hoje com músicas do Chico a me bombardear a memória auditiva.

Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo

Pois é... É isso aí, justamente isso aí. Quero perder sua cabeça ou minha cabeça perder seu juízo. Uma Judith que me salve, please!... E sabe por quê? Porque me dei conta da sua burrice. Quero amar (e ser amado, obviamente) alguém à altura da minha inteligência. Chega de amores burros!!! Alguém que nem ao menos sabe se ler não irá nunca conseguir me ler. Alguém que confunde inteligência com a mediocridade imbecilizante e imbecilizada da juventude e seus deslumbramentos... oh, céus! Mas cada um tem o que merece ou, pior, o que lhe é permitido entender. Eu sou muito melhor. E eu sei disso. E isso me basta. Não está entendendo não, meu bem? Mas isso não me surpreende. Você é de uma burrice atroz. Não entende nada, nunca entendeu nada. E eu sempre fui meio grego pra você mesmo... hehehe... E o Chico continua a ribombar na minha cabeça:

Mesmo que você feche os ouvidos
E as janelas do vestido
Minha musa vai cair em tentação
Mesmo porque estou falando grego
Com sua imaginação
Mesmo que você fuja de mim
Por labirintos e alçapões

Vai. Fuja sim. Vai aprofundar a sua tolice e ignorância em braços desprovidos de inteligência e estofo. No fundo sei que minha intelectualidade sempre te assustou. Você mesmo disse uma vez que minhas complexas explicações te davam nos nervos. Fazer o quê? Não vou disfarçar minha inteligência para compensar e satisfazer a sua burrice... ah, isso é que não. Se você quer a superficialidade das coisas, que faça bom proveito. Realmente você não me merece. Eu sou muito pra você. E quando eu olho assim pra você e vejo a burrice estampada nas suas palavras e nas suas expectativas, me dá uma pena danada. Me dá vontade de não te ver. E o Chico continua a me falar:

Vou correndo, vou-me embora
Faço um bota-fora
Pega um lenço agita e chora
Cumpre o seu dever
Bota força nessa coisa
Que se a coisa pára
A gente fica cara a cara
Cara a cara, cara a cara
Com o que não quer ver

E eu não quero ver a mediocridade que você se tornou. Sim, mereço mais, muito mais. Amores burros nunca mais!!! Que essa história de olhos bonitos, olhar sedutor, corpinho bonito e o cacete a quatro, tudo isso pode ser bom pra você: pra mim não é não. Eu preciso de mais. Eu quero muito mais. E dá-lhe mais Chico:

Luz, quero luz,
Sei que além das cortinas
São palcos azuis
E infinitas cortinas
Com palcos atrás
Arranca, vida
Estufa, veia
E pulsa, pulsa, pulsa,
Pulsa, pulsa mais
Mais, quero mais
Nem que todos os barcos
Recolham ao cais
Que os faróis da costeira
Me lancem sinais
Arranca, vida
Estufa, vela
Me leva, leva longe
Longe, leva mais

Liga não, meu bem. A culpa nem foi tão sua. Eu é que me perdi em meio as suas doces palavras e não vi o tamanho da sua pequenez. Você vê beleza e inteligência onde não há, e espera que eu veja alguma beleza e inteligência em você? Ai, pobre alma perdida e burra! Eu vou é cantar mais Chico pra você:

Apesar de você
amanhã há de ser
outro dia

~~~~~~~~~~

Tinha cá pra mim
Que agora sim
Eu vivia enfim o grande amor
Mentira
(...)
Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito
Exijo respeito, não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada
Quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor



Beijos inteligentes e cultos pra você, criatura pobre de espírito!

Um comentário:

... O Andarilho disse...

Há que ser meio Robespierre às vezes, meu poeta, quando a revolução do coração surge. Porém sem "Terror", apenas decisão firme pelo novo.
Holofernes insensíveis há muitos por aí, Judiths nem tanto. Admiro sua coragem.
Um grande abraço!

Related Posts with Thumbnails