Seguidores

19.8.07

"Se meu mundo cair, eu que aprenda a levitar"




ENSAIO SOBRE ADÃO

Há cinco possibilidades. Primeira: Adão caiu.
Segunda: foi empurrado. Terceira: saltou. Quarta:
ao debruçar-se sobre o parapeito perdeu o equilíbrio. Quinta:
nada digno de nota aconteceu a Adão.

A primeira, de que caiu, é precária demais. A quarta,
medo, foi examinada e revelou-se inútil. A quinta,
de que nada aconteceu, não interessa. A solução é a alternativa:
saltou ou foi empurrado. E a diferença está apenas

na questão de saber se o demônio
age de dentro para fora ou de fora para
dentro: aí está
o verdadeiro problema teológico.

(Robert Bringhurst - Tradução de João Cabral de Melo Neto)



Realmente um puta problema teológigo. Ou seja, não tem “ou seja”: Adão, com certeza já prevendo que viria servir a posteriori para trocadilhos infames do tipo “eu vi Adão”, talvez tenha sido o primeiro neurótico ou psicótico de que se tem notícia na história da humanidade. Também, coitado, Eva andava lá pelo jardim das delícias vendo a uva já naquele tempo... Uva lembra cacho, cacho lembra bagos... bagos lembra bolas.... Putz! Safadinha essa Eva, hein! Depois ainda vieram com um papo furado de que foi maçã (era uva, pô!... toda criança que foi alfabetizada pela cartilha Sonho de Talita sabe disso!). Ou seja (agora tem um “ou seja”), enquanto Eva deliciava-se com bagos e cobras (a rapaziada já era chapa quente naquele tempo), o moçoilo dos trocadilhos infames burilava suas dúvidas existenciais para saber se saltava ou se era empurrado... ou se deixava que nele empurrassem (os trocadilhos não foram à toa, tá vendo?)... Pirou, coitado. Surtou legal.

A questão é que Freud, lá pelos idos de 1923 e 24 (isso é perseguição, hein!), preocupado com a questão do que a psicanálise teria a dizer a respeito da saúde mental, escreveu dois pequenos textos: Neurose e psicose e A perda da realidade na neurose e na psicose. Os dois falam basicamente sobre o mesmo tema: a tensa relação do eu com o isso, fonte das demandas pulsionais, diante das exigências do superego. No primeiro texto, Freud afirma que as neuroses e as psicoses são efeito de um fracasso das funções do eu na administração do conflito entre o superego e as pulsões. No segundo texto, ele avança um pouco mais e afirma que essas duas modalidades de sofrimento psíquico correspondem a dois modos de distorção da relação do sujeito com o real. Na neurose, sugere o viajandão, o eu está em conflito com as demandas do isso, em obediência ao superego e à realidade. Para atender às exigências destes dois senhores, o eu recalca as representações das demandas pulsionais do isso, perdendo ou deformando uma parte importante da realidade psíquica; ao mesmo tempo, para que a defesa funcione, o sujeito precisa conseguir ignorar todas as percepções da realidade externa que possam se associar à representação recalcada. No caso da psicose, é a relação com a realidade externa que se deforma, a cada vez que esta resiste a satisfazer a demanda pulsional, ou seja: a cada vez que se anuncia para o sujeito, como que vinda do real, a ameaça de uma castração que ele é incapaz de simbolizar.

Entenderam alguma coisa??!!! Não? Eu também não entendi porra nenhuma. O cara tava fumadão, não é possível! Mas achei o texto legal e profundo e resolvi colocar aqui pra vocês, caros leitores. Nem só de babaquices e viadagens se faz um blog, aprendam isso, ok? De qualquer forma, a passagem acima já nos dá pistas da real inquietação do nosso homem de argila. Eu tava tentando entender o que poderia ser esse “isso”. Mas atentando para os detalhes, observem que eu até mesmo sublinhei algumas palavrinhas-chave. Veja bem: enquanto a putinha da Eva ficava lá com os bagos da rapaziada e no tête-à-tête com a cobra (literalmente tête-à-tête), o camarada tinha que satisfazer a demanda pulsional do “isso” dele, oras! E quem tem um “isso” sabe que, quando o bicho começa a pulsar, a gente tem que dar vazão. Senão dá tilt. Só que no caso do nosso primeiro analisando da história, ele ainda tinha forçadamente que “ignorar todas as percepções da realidade externa” que se associassem a uma “representação recalcada” (palavras do fumadão). Ou seja, a tal da Eva, não obstante o sem número de uvas que andou vendo, devia ser feia pra caralho ainda por cima... E dá-lhe percepção da realidade ignorada, e dá-lhe representação recalcada... Mas a pulsação do “isso” tinha que ser satisfeita de alguma forma. A saída então era fechar os olhos e mandar ver na imaginação. No fundo, ele queria mesmo é que a mocinha lhe trouxesse logo a tal da maçã (eu continuo suspeitando que era uva), mas vinha-lhe sempre à mente o dedo acusador do Criador ameaçando-o com a possível “castração”. Castração entendida aí num sentido mais metafísico e filosófico, entenderam? Não? Bem, mas é isso... Daí então é que veio a fatídica queda. E até hoje não se sabe se ele saltou ou foi empurrado. E como resultado, nos deixou esse legado: a neurose e a psicose. Mais do que o “cair” mítico de que nos fala o gênesis de quase todas as religiões, acho que o pecado original, o legado que nos foi deixado, é justamente esse: nos tornamos seres neuróticos e psicóticos por medo da queda.

Mas o que é o “cair”, eu pergunto.

Também só fico na pergunta. Não achem que eu vou responder... Até porque eu também tô querendo saber. Cair, saltar ou ser empurrado... acho que tudo acaba sendo a mesma porra, se não soubermos manter a pose na hora H. É preciso classe e graça mesmo na queda. Minha adorada Maysa Matarazzo dizia: “Se meu mundo caiu, eu que aprenda a levantar”. Apesar de gostar muito da vozinha rouca dela e do estilo dor-de-cotovelo, eu prefiro ir mais além... Vou de José Miguel Wisnik mesmo... sobretudo quando ele diz: “Se meu mundo cair, então caia devagar”... Mas não é verdade? Pra quê a pressa, né não? E, diferentemente da Maysa, ele diz: "eu que aprenda a levitar"... Caramba! Levantar é mole, foda mesmo é levitar depois de uma queda! Há que se ter muita leveza de espírito, meus caros!... Grande Wisnik! Esse é dos meus...

Ótimo domingo a todos!


SE MEU MUNDO CAIR

Se meu mundo cair
então caia devagar
não que eu queira assistir
sem saber evitar

cai por cima de mim:
quem vai se machucar
ou surfar sobre a dor
até o fim?

cola em mim até ouvir
coração no coração
o umbigo tem frio
e arrepio de sentir
o que fica pra trás
até perder o chão
ter o mundo na mão
sem ter mais
onde se segurar

se meu mundo cair
eu que aprenda a levitar

(José Miguel Wisnik)

3 comentários:

Teté disse...

Pô, Ed, coisa complicada mesmo. Ainda mais num domingão de sol e céu azul...
"Cair, saltar ou ser empurrado"? Sei não, tem muito a ver com a relação que a pessoa tem com o real (dela ou do mundo????). E vai saber se o demônio agiu de dentro pra fora ou de fora pra dentro? Putz!!! Alguém aí fumou um monte!!! Agora pirei de vez... não entendi porra nenhuma... viajei...

Ilem disse...

Meu amigo...
Eu não vi Adão, mas fiquei numa dúvida atróz entre empurrar/ser empurrado, cair ou subir (depende do referencial) ou flutuar, sei lá...
Partilho da dúvida de TETé tb. Quem é o Demônio? Quem está empurrando ou quem está sendo empurrado?
E se é quem está empurrando - é por trás ou pela frente? /e se um é o Demo, será o outro o Prícipe/princesa da LUZ?

Jaqueline Ferreira disse...

Meu caro, voce ''pinçou'' títulos de escritos do medico e fundador da Psicanálise Freud que saõ textos técnicos, mas entendendo que voce é um sujeito curioso por vocaçao, como eu e exatamente tua curiosidade é que te dá a função de mestre, digo que adorei sabê-lo apreciador dos textos do Freud, sujeito a quem muito eu admiro.
Pois bem, pensei em dizer sobre o texto mas preciso esclarecer que tecnicamente o 'id' é uma instancia , um lugar subjetivo e nao localizado no corpo, é SUBJETIVO portanto é uma denominação dada por Freud para localizar teoricamente um funcionamento que ele desenhou do nosso psiquismo. Tambem considero pertinente dizer que a teoria é teoria (o óbvio que muitos nao percebem) e que pode ser refutada, mas que deve ser respeitada.
O ''id''é tambem chamado de ''isso''e significa um lugar subjetivo nao acessado por nós conscientemente, é uma parte de nosso ''primitivo'' e como tal briga para existir, e briga com o ''EU'' = ''EGO'' que tem uma grande parte consciente, ou seja, o sujeito se dá conta de muita coisa do seu ''EU''e o ''id'' (ou ''isso'') tambem briga com o super ego que é a CULTURA internalizada em todos nós, queiramos ou não nós a temos dentro de nós e é ela quem nos dá limite e tambem nos causa o sentimento de CULPA. Freud então nos legou varios textos em que nos diz que dividiu assim o aparelho psíquico (nao anatomico e sim subjetivo): id, ego, super-ego e essas instâncias psíquicas brigam para VENCER , e onde percebemos quando uma delas vence? pelo nosso comportamento e sobretudo pelos nossos sintomas, eles os sintomas falam de nós, falam de nossa forma de agir e nosso agir na maioria das vezes é INCONSCIENTE por mais perturbador que isso seja. Veja que essa é uma maxima de uma teoria e que se faz importante e tambem válida no meio acadêmico por que ela APRESENTA casos clínicos que a comprovam.

Related Posts with Thumbnails